Juninas promovem festival de diversidade cultural na Arena Deodete Dias

O público lotou as arquibancadas e camarotes da Arena Deodete Dias para acompanhar a 2ª noite de eliminatórias do Concurso Estadual de Quadrilha Estilizada. E em resposta ao prestígio dos espectadores as quadrilhas promoveram um verdadeiro desfile de diversidade cultural, que passeou pela cultura nordestina indo até as tradições do mundo árabe. Houve também homenagens a artista consagrada na música, história de fé e milagre, além de ato político denunciando a corrupção nacional.

A primeira quadrilha a se apresentar foi Coração Nordestino, da cidade de São Gonçalo do Amarante. A quadrilha, que neste ano de 2018, completa 20 anos, fez uma honrosa homenagem a uma das mais importantes intérpretes do Brasil. Foi com o tema “Seria um sonho se não fosse verdade: Elba. A historiografia da paraibana Elba Ramalho foi revelada pela quadrilha através do seu repertório. A coreografia da quadrilha foi assinada pelo mossoroense Abraão Morais, cria da Companhia Junina Lume da Fogueira.

“Estou muito feliz com o trabalho realizado nessa minha mais nova famílias. A Coração Nordestino me fez o convite, o trabalho foi construído e hoje temos o resultado positivo do público. Sou muito grato a essa quadrilha de São Gonçalo do Amarante, mas não há como esquecer minha casa, que me fez ser quem eu sou. Sou grato a Lume da Fogueira por todas as oportunidades, e também a coreógrafa Roberta Schumara, minha eterna professora, foi com ela que eu aprendi tudo o que eu sei”, reconheceu Abraão Morais, coreógrafo da Quadrilha Coração Nordestino.

Em seguida veio a apresentação de uma das mais tradicionais quadrilhas estilizadas do Rio Grande do Norte, Balão Dourado, de Natal, fundada em 1997. Foi com o tema “A festa que encanta seu olhar”, que junina contou a história de um homem cego, que através da fé de sua noiva volta a enxergar. Um dos destaques da quadrilha é a sua rainha, Flávia Lima, que inicia a apresentação representando a luz do sol, e depois se transforma na lua prateada que embala o namoro dos noivos. O marcador da quadrilha é mossoroense, também criado nos arraiás da Companhia Junina Lume da Fogueira.

A terceira quadrilha a se apresentar na noite foi a Junina São João, de Natal, que transformou a Arena Deodete Dias em um mundo árabe com o tema “O reino árabe no sertão de Maria. O enredo bebeu na fonte de Câmara Cascudo para mostrar como a cultura nordestina foi influenciada pelos costumes árabes. O tema desfilou pela arena misturando personagens do folclore nordestino com personagens conhecidos mundialmente e da mitologia das arábias. No enredo da Junina São João o Gênio da Lâmpada virou o Gênio da Lamparina.

A noite se encerrou com um discurso político-social. A Quadrilha Encanto do Nordeste, da cidade de Umarizal, levou para a quadra o tema “O encontro do corrupto com a honestidade”. Com o tom de denúncia a quadrilha deixou evidente como o povo sofre com políticos corruptos que se vendem pelo poder e dinheiro. Mas ao final deixou a mensagem que há esperança e que vale à pena ser honesto.

Leave a Comment